Emprego atinge valor mais alto da década

Os dados hoje divulgados pelo INE evidenciam que, no segundo trimestre de 2021, Portugal conseguiu atingir a população empregada mais elevada desde 2011, o que mostra a capacidade coletiva de resposta à crise provocada pela pandemia por Covid-19. Este esforço foi possível graças a um conjunto alargado de apoios criados pelo Governo para assegurar a manutenção do emprego.

Portugal

Os apoios ao emprego abrangeram mais de 128 mil empresas e um milhão de trabalhadores e já ultrapassaram os 3 000 milhões de euros (incluindo isenções e reduções contributivas). Os dados relativos ao emprego mostram que o mercado de trabalho regressou a níveis pré-pandemia, tendo atingido um total de 4,81 milhões de pessoas empregadas, o valor mais alto da última década.  Por outro lado, a taxa de desemprego, que se fixou em 6,7% (uma queda de 0,4 pontos percentuais face ao primeiro trimestre), está abaixo do registado no último trimestre completo antes da pandemia (6,9%, no 4.º trimestre de 2019). De igual forma, a população desempregada é agora de 345,7 mil pessoas, sendo também inferior à que se registou no 4.º trimestre de 2019 (352 mil pessoas). 

A Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, afirmou que «estes números mostram, uma vez mais, que os apoios extraordinários que foram criados para apoiar as empresas e o rendimento dos trabalhadores foram fundamentais para preservar o emprego durante a crise provocada pela pandemia».


O Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, afirmou que se trata de «números impressionantes», destacando que «o setor dos serviços o mais afetado pela pandemia, criou, só por si, mais de 100 mil empregos», dos quais 25 mil alojamento, restauração e similares.


Siza Vieira, num vídeo gravado, acrescentou que estes números são «um sinal de vitalidade da economia».

Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital sobre estatísticas do emprego

fonte:GovernoPortugal