Nações Unidas marcam Dia Internacional contra Testes Nucleares

Local de testes nucleares da antiga União Soviética Semipalatinsk, hoje parte do Cazaquistão

Organização defende que proibição total é passo essencial para impedir novos avanços e acabar com armamentos; momento traz progressos globais na promoção da causa. 

Neste 29 de agosto, as Nações Unidas assinalam o Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A data foi proclamada por ocasião do fechamento da área de Teste Nuclear de Semipalatinsk, na ex-República Soviética do Cazaquistão.

O local, também conhecido como O Polígono, era utilizado para estes fins até 1991. 

Livre

Por quatro décadas foram detonados 456 dispositivos nucleares, na área de cerca de 18,5 mil metros quadrados.

De acordo com as Nações Unidas, cerca de 2 mil testes nucleares já ocorreram desde que iniciou este tipo de atividade em 16 de julho de 1945.
 

A Assembleia Geral das Nações Unidas adotou uma resolução para marcar a data sob proposta do Cazaquistão em 2009.

O documento pede maior consciência e educação “sobre os efeitos das explosões de teste de armas nucleares ou quaisquer outras explosões nucleares e a necessidade de seu fim como um dos meios de alcançar a meta de um mundo livre de armas nucleares”.

Sobre a data, o secretário-geral disse que a ameaça nuclear está crescendo cada vez mais. Para António Guterres, a “proibição total dos testes nucleares é um passo essencial para evitar a melhoria qualitativa e quantitativa das armas nucleares e para alcançar o desarmamento atômico”.

Sociedade civil 

Desde 2010, o Dia Internacional contra os Testes Nucleares acolhe atividades como simpósios, conferências, exposições, concursos, publicações, palestras, transmissões de mídia e outras iniciativas. 

Teste nuclear no Atol Enewetak, nas ilhas Marshall, Estados Unidos, em 1 de novembro de 1952
 

As Nações Unidas defendem que aumentou a causa da proibição dos ensaios desde a proclamação da data através de eventos em nível governamental bilateral e multilateral, bem como pela sociedade civil. 

Com outras iniciativas e ações, a data pretende continuar a impulsionar um ambiente global defendendo um mundo livre de armas nucleares.

Em 1996 foi adotado o Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares. O instrumento internacional para pôr fim aos ensaios ainda não entrou em vigor. 

Fonte:OnuNews/RL33