Desconfinamento no dia 9 de junho: teletrabalho, restaurante, desporto… O que pode (ou não) fazer

© LIONEL URMAN/SIPA

9 DE JUNHO. A partir de quarta-feira, as restrições serão facilitadas em todo o país com a terceira e penúltima etapa da desconfinamento.

[Atualizado a 8 de junho de 2021 às 9:25] Em 24 horas, as regras evoluem em França com a terceira e penúltima etapa do desconfinamento. Várias restrições serão levantadas, mas algumas permanecerão até 30 de junho. Inicialmente, o toque de recolher mudará às 23h, mais duas horas que permitirão aos franceses ter bom tempo nos terraços de bares e restaurantes. Porque sim, esta 3ª fase é sinónimo da abertura a 100% dos terraços, mas sempre dentro do limite de 6 pessoas. No interior, também será possível comer e tomar uma bebida, mas com um certo limite de pessoas.

Além dos restaurantes, cinemas, museus e lojas será agora um cliente a cada 4m2. Para entusiastas desportivos, ginásios, piscinas interiores… Finalmente poderá reabrir a 50%.

Outra grande mudança também a partir deste 9 de junho, a introdução do passe sanitário. Este último será obrigatório para eventos que acolhem mais de 1000 pessoas. Finalmente, durante vários meses, a regra nas empresas era recorrer sistematicamente ao teletrabalho, logo que a atividade o permitisse. “A partir de 9 de junho, as empresas terão de determinar, na sequência de trocas entre representantes da administração e dos trabalhadores, um número mínimo de dias de teletrabalho para cada trabalhador”, explica o governo no seu site (https://www.gouvernement.fr/de-nouvelles-regles-de-teletravail-a-partir-du-9-juin-2021).

Qual é a mudança para o toque de recolher no dia 9 de junho?

O recolher obrigatório terá início às 23h do dia 9 de junho, data da terceira fase do desconfinamento e terminará às 6h00. Será totalmente abolido a partir de 30 de junho, se a situação sanitária o permitir.

Qual é a mudança no que diz respeito ao uso de máscaras no dia 9 de junho?

As instruções, obrigações e recomendações sobre o uso de máscara não mudaram a 19 de maio e não serão alteradas no dia 9 de junho. Questionado no dia 17 de maio, na BFMTV sobre o assunto, o ministro da Saúde, Olivier Véran, assegurou que um levantamento gradual da obrigação de usar uma máscara seria “rapidamente considerado” se a circulação do vírus continuasse a diminuir. “Aí, desde que não tenhamos um nível adequado de cobertura de vacinação, parece mais prudente manter a obrigação de usar uma máscara”, disse o ministro. Emmanuel Macron disse no final de maio que não achava que as regras sobre o uso de máscaras mudassem antes do final de junho.

O que vai mudar em relação a restaurantes e terraços no dia 9 de junho?

Os restaurantes reabriram no dia 19 de maio e vão experimentar uma nova etapa no dia 9 de junho. Nesta data, as esplanadas de restaurantes e bares podem reabrir com mesas não superiores a 6 pessoas, mas desta vez a 100% da sua capacidade. O interior também poderá reabrir, com uma limitação de 50% e novamente, com mesas de até seis pessoas.

Qual é a mudança para cinemas, museus e teatros no dia 9 de junho?

Para os museus, o limite será de 4m² por pessoa enquanto para cinemas, teatros etc… O indicador autorizado aumentará para 65% da capacidade inicial, com um teto de 5.000 espectadores. Um passe sanitário estará em vigor para mais de 1.000 pessoas. Os concertos continuarão proibidos.

O que vai mudar para o desporto no dia 9 de junho?

Os estabelecimentos desportivos interiores (ginásios, piscinas interiores, etc…) estarão agora abertos. Nos pavilhões desportivos, os atletas terão de respeitar uma distância de dois metros entre eles. Para quem pratica desporto ao ar livre, os grupos são aumentados de 10 para 25 pessoas, e os desportos de contacto podem ser retomados.

Qual é a mudança para o teletrabalho no dia 9 de junho?

Para o teletrabalho, a mudança será gradual, com uma ligeira evolução a partir de 9 de junho. A Ministra do Trabalho, Elizabeth Borne, deu instruções formais ao Le Parisien no dia 27 de maio. A partir de quarta-feira, 9 de junho, serão levantados os “constrangimentos de teletrabalho a 100%”, indica o ministro, que acrescentou: “Estamos a devolver a mão aos empregadores e aos trabalhadores para que determinem o número de dias adaptados (de presença por semana), mas não se trata de abandonar o teletrabalho! Esta prática continua a ser recomendada para combater eficazmente a pandemia.” O Ministro deixou claro que um regresso a 100% no local a partir de 9 de junho “violaria o protocolo”. “Como referência, o número de dias de teletrabalho aumentará para três dias na função pública a partir de 9 de junho. Este deve ser o ponto de partida de um impulso para encontrar o equilíbrio certo entre cara a cara e distância, e implementar novas práticas”, acrescentou.

Devo usar um passe sanitário no dia 9 de junho?

Sim. A terceira fase de desconfinecimento também estará associada ao lançamento do passe sanitário. No Le Parisien, foram revelados os detalhes da sua implementação na aplicação Tous Anti Covid. Este último será equipado com um livro de lembretes digital, como explica Cédric O. “Para isso, eles (os gestores) terão de colocar à entrada do seu estabelecimento um cartaz com um código QR que os clientes terão de digitalizar com o seu smartphone através da aplicação TousAntiCovid. A data e a hora da sua passagem serão então gravadas no seu telefone. “Não será necessário utilizar um caderno clássico ou digital na esplanada ou no cinema”, explica o gabinete do secretário de Estado responsável pela Transição Digital. Concretamente, o passe sanitário será apresentado em formato papel ou no smartphone através da aplicação TousAntiCovid. Ao pormenor, para obter este passe sanitário, são possíveis três condições: apresentar um teste de PCR negativo, apresentar uma prova de vacinação (obtida através de um código QR, dez dias após a segunda injeção, ou a primeira no caso da vacina monodose Johnson & Johnson), ou apresentar um teste de PCR positivo que remonta há mais de duas semanas e menos de seis meses (que certifica que contraiu o vírus e desenvolveu anticorpos contra ele).

Aqui está a lista de locais para os quais será necessário estar equipado com um passe sanitário para assistir a um evento de pelo menos 1.000 pessoas, de acordo com o decreto de 7 de junho:

  • Salas para audições, conferências, reuniões, espetáculos ou múltiplas utilizações,
  • Capitais, tendas e estruturas,
  • Estabelecimentos de ensino de artes, quando recebem espectadores,
  • Salas de jogos,
  • Estabelecimentos com vocação comercial destinados a exposições, feiras e exposições de carácter temporário,
  • Estabelecimentos desportivos ao ar livre que não os parques zoológicos, de diversões e temáticos,
  • Estabelecimentos desportivos cobertos,
  • Eventos culturais, desportivos, recreativos ou festivos organizados no espaço público ou num local aberto ao público e suscetível de dar origem a um controlo de acesso por parte das pessoas.
#TousAntiCovid

Quais são as datas do desconfinamento em França?

O processo começou na segunda-feira, 3 de maio, incluindo o fim das restrições de viagem ao longo de 10 km e terminará em 30 de junho com a reabertura total em conformidade com os gestos de barreira. O governo está a contar com a continuação da campanha de vacinação para garantir que o calendário de desconfinamento previsto seja viável.

Fase 1 – 3 maio
Fim da regra dos 10 km e restrições de viagem entre regiões.
Fim do certificado de viagem durante o dia.
Reabertura dos colégios e liceus (metade do medidor a partir do dia 4).
Manutenção do toque de recolher às 19h.

Fase 2 – 19 maio
O toque de recolher mudou para as 21h.
Reabertura de lojas, terraços de bares e restaurantes com mesas não superiores a 6 pessoas e 50% da sua capacidade. Reabertura de museus, cinemas e teatros com público sentado, bem como pavilhões desportivos (dentro do limite de 800 espectadores dentro de casa, e 1.000 ao ar livre) com um limite de 8m2.
Proibição de encontros de 10 pessoas.
Todas as lojas podem reabrir. Aqueles com menos de 8m² só podem receber um cliente, os outros têm de reservar 8m² para cada pessoa. Para os mercados, o número de clientes deve ser limitado a 8 m² para cada um deles em mercados abertos, e 4m² por pessoa ao ar livre.
Para o ensino superior, assumiu-se com um valor de 50% do número de estudantes, com um protocolo de saúde reforçado. Os exames universitários, que estavam agendados para 2 de maio inclusive, foram adiados. Os concursos nacionais e os exames de saúde são mantidos ao abrigo do protocolo em vigor. Para as organizações de formação, esta última pode retomar presencial sempre que a aprendizagem à distância não for possível. Os exames têm lugar cara a cara com protocolo adaptado.
Concertos continuam proibidos
Para festivais ao ar livre sentados, o limite é fixado em 35% da sua capacidade com um máximo de 1.000 pessoas bem-vindas.
Nas bibliotecas, mantém-se o medidor de 8m² por pessoa, bem como deixar um assento em dois vazios numa configuração sentada. Para as cerimónias religiosas, apenas um em cada três lugares pode ser ocupado e é necessário posicionar-se em escalonamento entre cada linha.
Para os casinos, apenas as chamadas atividades de casino “contactless”, como máquinas de slot, poderão retomar a sua atividade, respeitando um limite de 35% da capacidade máxima.
Os spas poderão reabrir apenas a 50% da sua capacidade máxima, enquanto o Thalassotherapies não reabrirá. Para os jardins zoológicos, não mais de 50% da sua capacidade máxima.
Retoma com uma capacidade de 50% para teleféricos de esqui, exceto para grupos familiares. Este manómetro não se aplica aos elevadores instalados em urbanos e interurbanos. Para albergues e parques de campismo, apenas alojamento individual e familiar pode reabrir.
Para estabelecimentos de desporto ao ar livre, a atividade retoma sem restrições apenas para praticantes prioritários. Para desportos não prioritários, só os desportos contactless podem recomeçar. Do lado dos espectadores, aplica-se um limite de 35% da capacidade do público, bem como um teto de até 1.000 pessoas. No caso dos estabelecimentos abrangidos, só reabrem para profissionais prioritários, nomeadamente para menores nas escolas, em atividades extracurriculares. Do lado público, o limite é fixado em 35%, com um teto de 800 espectadores.

Fase 3 – 9 de junho
O toque de recolher mudou para as 23h.
Os terraços podem abrir a 100% da sua capacidade, mas ainda com mesas de seis. O interior abre, com um limite de 50% da sua capacidade total e novamente, mesas de até seis pessoas. O mesmo para os bares.
Para discotecas, não está prevista qualquer abertura, mas a situação será estudada no final de junho.
O limite das lojas aumenta para 4m² por cliente. Para os mercados, o limite aumenta para 4m² por cliente (o mesmo não se mantém no exterior).
As feiras e exposições podem reabrir desde que acomodem apenas 50% da sua capacidade máxima. É necessário um passe sanitário para quem acomoda mais de 1.000 pessoas.
Para os museus, o limite é reduzido para 4m² por pessoa. Para cinemas, teatros, etc… O indicador autorizado sobe para 65% da capacidade máxima, com um teto de 5.000 espectadores. Um passe sanitário está em vigor para mais de 1.000 pessoas. Os concertos ainda estão proibidos.
Para o ensino superior, o indicador de 50% continua até ao próximo ano letivo. As instituições de ensino superior têm a possibilidade de organizar os seus exames presenciais ou de aprendizagem à distância. As organizações de formação podem reabrir em condições normais.
Para os festivais ao ar livre sentados, o limite aumenta para 65% e o teto será um máximo de 5.000 pessoas acolhidas. Se a capacidade não for possível de definir, o limite será na mesma definido em 5.000 pessoas, com regras de distanciamento e protocolo hotel-restaurante-café. Um passe sanitário é necessário para além de 1.000 pessoas.
O limite é reduzido para 4m² nas bibliotecas. Para cerimónias religiosas e casamentos, a regra muda. Para cerimónias fúnebres, 75 pessoas são permitidas.
Todas as atividades de casino, com ou sem contacto, podem ser retomadas em conformidade com um limite de 50% da capacidade máxima e um protocolo de saúde adaptado. O passe sanitário será necessário para a receção de mais de 1.000 pessoas. Jogo de fuga, sala de jogos… Reabertura em conformidade com um limite de 50% da capacidade máxima e em conformidade com um protocolo de saúde adaptado. O passe sanitário será necessário para a receção de mais de 1.000 pessoas.
Abertura com 35% da capacidade máxima e um protocolo sanitário adaptado para Thalassotherapies, 100% para banhos termais. Conservatório, salões de dança… Os adultos não profissionais podem regressar aos salões de dança, desde que não haja contacto, e dentro de um limite de 35% da capacidade máxima. As regras não mudam para as artes líricas. Para os espectadores, aplica-se um indicador de 65% da capacidade máxima, com um teto de 5.000 pessoas. O uso do passe sanitário é necessário para mais de 1.000 pessoas. O limite de receção aumenta para 65% nos teleféricos de esqui.
A tonelagem autorizada aumenta para 65% da capacidade inicial em jardins zoológicos.
Os desportos contactless estão a recomeçar para todos. Para o público, o limite é aumentado para 65% e, de audiência, para 5.000 pessoas. A utilização do passe sanitário assim que o limiar de 1.000 pessoas é atravessado. Os desportos de contacto são permitidos para praticantes não prioritários, em conformidade com um medidor de receção de 50%. Do lado dos espectadores, o indicador aumenta para 65% com um teto de 5.000 pessoas. O uso do passe sanitário é indispensável para além de 1.000 espectadores.
Para as práticas desportivas ao ar livre, o número de pessoas passou a 25 e os desportos de contacto são novamente permitidos. Abertura de fronteiras a turistas estrangeiros sujeitos ao passe sanitário.
Relaxamento do teletrabalho.
Autorização de encontros de menos de 1000 pessoas.

Fase 4 – 30 junho
Fim do toque de recolher.
Fim dos limites de população em restaurantes, espaços culturais e ginásios e reabertura de todos os estabelecimentos. Autorização de eventos de mais de 1000 pessoas.
Para festivais ao ar livre sentados, o limite é definido de acordo com as circunstâncias locais e o cumprimento das medidas de barreira e distanciamento (excluindo os assentos). Um passe sanitário é necessário para além de 1.000 pessoas. Para o desporto, o limite é definido de acordo com as circunstâncias locais e o cumprimento das medidas de barreira e distanciamento (excluindo os assentos). Um passe sanitário é necessário para além de 1.000 pessoas.

Fonte: Linternaute/GOV.fr/TechZone by Leo Calú